quarta-feira, 20 de julho de 2011

Dons e milagres: O sobrenatural no cristianismo.

.

Muitos dos que defendem o cristianismo estão divididos em suas opiniões. Alguns aceitam como fatos os relatos bíblicos sobre os milagres realizados por Jesus ou pelos servos de Deus dos tempos pré-cristãos.

No entanto, muitos concordam com o reformador protestante Martinho Lutero. Sobre ele, “The Encyclopedia of Religion”, diz: “Tanto Lutero como Calvino escreveram que a era dos milagres findou e, por isso, as pessoas não deviam mais esperar que eles ocorressem”.

A Igreja Católica sustentou sua crença em milagres “sem tentar explicar como eles aconteceram”, diz essa obra de referência. Contudo, “a comunidade protestante acadêmica chegou à conclusão de que a prática do cristianismo era, principalmente, uma questão de moralidade (ética protestante), e que nem Deus nem o mundo espiritual se comunicavam ou influenciavam de forma significativa o dia-a-dia do ser humano, criando intensas ansiedades no indivíduo, cujo meio prático de reduzir tomou a forma de um empenhamento sistemático para uma chamada, ou seja, ao trabalho árduo, frugalidade, e autodisciplina, refletindo em recompensas materiais que não são consumidas pessoalmente, mas guardadas e que são reinvestidas. ”.

Outros, professos cristãos, incluindo alguns clérigos, duvidam que os milagres mencionados na Bíblia tenham sido reais. Por exemplo, tome o caso da sarça ardente, mencionado na Bíblia em Ex 3:1-5. O livro “O Que a Bíblia Realmente Diz” explica que vários teólogos alemães não acham que o relato seja de um milagre literal. Em vez disso, eles o interpretam como “um símbolo da luta interior de Moisés contra sentimentos de remorso e intensa dor de consciência”. O livro ainda diz: “As chamas também podem ser vistas como sendo flores que desabrocham repentinamente diante da luz da presença divina, comparada ao Sol”.

Talvez essa explicação não te satisfaça , assim como não satisfaz a mim, então, em que deveríamos acreditar? Será que é realístico acreditar que os milagres realmente aconteceram? E o que dizer dos milagres atuais? A quem podemos perguntar sobre tais coisas?

Ninguém pode negar que a Bíblia relata que, no passado, Deus realizou atos humanamente impossíveis. Lemos sobre ele: “Passaste a tirar teu povo Israel da terra do Egito, com sinais e “com milagres,” e com mão forte e com braço estendido, e com coisa muito espantosa.” (Je 32:21) Imagine, a nação mais poderosa daquele tempo foi humilhada por meio de dez pragas enviadas por Deus, o que incluiu a morte do primogênito da nação. Realmente, foram milagres! — Ex cap. 7 a 14.

Séculos mais tarde, os escritores dos quatro evangelhos descreveram cerca de 35 milagres realizados por Jesus. De fato, tais narrativas sugerem que ele tenha realizado muito mais milagres do que os que foram mencionados. São esses relatos fatos ou ficção? — Mt 9:35; Lc 9:11.

Se a Bíblia é o que ela afirma ser — “a Palavra de Deus” — então você tem um forte motivo para acreditar nos milagres registrados nela. A Bíblia é clara ao mencionar que no passado ocorreram milagres — curas, ressurreições e coisas assim. A Bíblia menciona diversos tipos de milagres, por exemplo: Ex 7:19-21; 1Re 17:1-7; 18:22-38; 2Re 5:1-14; Mt 8:24-27; Lc 17:11-19; João 2:1-11; 9:1-7.

Muitos desses milagres serviram para identificar Jesus como o Messias e provar que ele tinha o apoio de Deus. Os primeiros seguidores de Jesus mostraram dons milagrosos, como falar em línguas e discernir expressões inspiradas (profecias) . (At 2:5-12; 1Co 12:28-31). No início da congregação cristã, esses dons milagrosos foram úteis, no sentido de que eles testificavam aos não crentes que Deus estava usando a congregação cristã, de que ela era aprovada por Deus.

O relato do dia do Pentecostes diz que uma “multidão” de pessoas que passavam por onde os discípulos falavam em línguas perceberam o sinal. Tanto isso é verdade que naquele dia “acrescentaram-se cerca de três mil almas” à congregação cristã. (At 2:5, 6, 41).

Poucos dias depois de morrer e ser ressuscitado, Jesus ordenou a seus seguidores que ‘fizessem discípulos de pessoas de todas as nações’. Ele também lhes disse para serem suas testemunhas “até à parte mais distante da terra”. (Mt 28:19; Atos 1:8). Existiam poucas cópias das Escrituras Sagradas, geralmente, apenas poucos ricos possuíam rolos ou livros. Além do mais, em terras pagãs não havia nenhum conhecimento sobre a Bíblia ou seu Autor, Jeová, de modo que o ensino cristão era transmitido oralmente.

Para que as boas novas tivessem esse alcance, eles precisariam falar muitas outras línguas além do hebraico. No entanto, muitos daqueles primeiros cristãos eram “indoutos e comuns”. (Atos 4:13). Então, como eles poderiam pregar em lugares distantes onde se falavam idiomas de que talvez nem sequer tivessem ouvido falar? O espírito santo concedeu a alguns desses fiéis pregadores o dom milagroso de pregar com fluência em idiomas que eles nunca tinham aprendido.

Nos dias de hoje, os humanos, por terem obtido cada vez mais conhecimento das leis físicas da natureza, conseguiram chegar realizações que anteriormente eram consideradas impossíveis e muitos a isso também chamam milagres (do ponto de vista puramente humano e carnal), de modo que, mesmo hoje, em meio a um mundo repleto de proezas e realizações humanas surpreendentes e de sonhos e desejos fantásticos para o futuro, os milagres genuinamente espirituais, ainda podem ser muito úteis ao serviço do reino de Deus, seja para confirmar que só o Senhor Jeová é Deus, que só Senhor Jesus Cristo é único e suficiente salvador designado por Deus ou ainda para fornecer provas aos não crentes de que Deus está apoiando os seus servos fieis. De fato, a modernidade acaba por fazer com que, as pessoas caiam em incredulidade e estejam se distanciando, ainda, cada vez mais de Deus.

Eu mesmo não posso me esquecer da realidade dos tempos em que eu vivo em meio a humanidade. Estes tempos atuais são caracterizados por uma guerra espiritual intensa, pois “O mundo inteiro jaz no poder do iníquo.” — 1Jo 5:19. O pode superior iníquo está habilitado a agir de modo espiritual, de modo sobrenatural, e é relativamente poderoso em nosso meio. Nós só temos chances contra ele, se pudermos sempre contar com o Deus criador amoroso, também de um modo genuinamente espiritual, também de um modo sobrenatural. Sim, nós devemos crer em milagres ainda e só o fato de prosseguirmos acordando para a vida a cada dia, já é um milagre, lembrado que somos pó e só estamos de pé pela misericórdia de Deus.

Existem ainda muitos milagres e sinais de poder, relatados na Bíblia, que estão reservados para ocorrerem tanto juntamente com os acontecimentos atuais, quanto com os acontecimentos futuros da nossa história, assim, Deus nos dá os dons espirituais a fim de edificarmos nestes tempos, conforme a sua vontade. Para que Deus nos agracie com a realização de algum milagre, basta tão somente exercermos genuína fé de que Ele pode assim fazê-lo, termos persistência em pedir e paciência de esperar pelo momento oportuno para Ele. Todavia Paulo explicou que os dons humanos para expressar os milagres de Deus cessariam quando estes não fossem mais necessários.

O capítulo 13 de 1Co fala do amor. O verso 8 diz que o amor jamais acaba, mas as outras coisas acabarão. Nosso conhecimento e tudo que fazemos é incompleto, quando o perfeito vier, isso é, Jesus em sua segunda vinda, aquilo que é incompleto em nós será aniquilado. O texto diz também que em parte conhecemos, ou seja, nosso conhecimento jamais será completo, até que Jesus venha novamente: “O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado. ” — 1Co 13:8-10.

Hoje as pessoas têm acesso a várias traduções da Bíblia, bem como a concordâncias e enciclopédias. Milhões de cristãos habilitados estão ajudando outros a obter conhecimento de Deus baseado na Bíblia, de modo que, nos dias atuais, a utilidade do dom de línguas, a mim mesmo parece ser algo extremamente limitado e de pouca relevância. Assim, cabe a pergunta: Quem hoje então, dá evidências de ter um “dom excelente” de Deus e do seu Santo Espírito?

Jesus sabia muito bem que sinal, ou marca, identificaria seus seguidores verdadeiros em qualquer época. Ele nos ensinou sobre isso ao dizer:

“Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos”, disse ele, “se tiverdes amor entre vós”. (Jo 13:35).

De modo que, eu sempre pergunto a mim mesmo: De que me vale, expressar em mim mesmo milagres de Deus, se eu de fato não amo ainda em plenitude e verdade?

“O amor” é alistado como o primeiro aspecto do ‘fruto’, ou produto, do espírito santo de Deus. (Ga 5:22, 23). Portanto, os que realmente tivessem o espírito de Deus — e, assim, o apoio dele — mostrariam verdadeiro amor uns pelos outros. Além disso, o terceiro aspecto do fruto do espírito é “a paz”. Desse modo, os que hoje têm o espírito santo se empenhariam notadamente pela paz e pelo amor, e o fazem ainda com alegria, expressando assim o segundo fruto do espírito que é “o gozo, ou prazer”.

Se estamos vivendo por espírito, continuemos também a andar ordeiramente por espírito. Não fiquemos egotistas, atiçando competição entre uns e outros, invejando-nos uns aos outros. (Ga 5:25-26). Desenvolvamos verdadeiro amor uns para com os outros, mesmo que de modo incompleto e imperfeito, até que venha o que é completo e perfeito!
Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
 
Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.