sábado, 6 de agosto de 2011

O Chamado de Deus

Convido o leitor a analisar três versículos, partindo da premissa de que eles estão interligados e ligado a um mesmo fenômeno, o qual eu denomino aqui de: “O Chamado de Deus”

1. Jesus disse-lhe: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim. (Jo 14:6)

2. Ninguém pode vir a mim, a menos que o Pai, que me enviou, o atraia; (Jo 6:44a)

A conclusão que eu mesmo chego é a de que é o próprio Senhor Jeová quem nos atrai primeiro, ou seja, quem nos escolhe e nos chama, e, o chamado é para seguirmos a um caminho designado por Ele: o caminho é seguirmos a Jesus Cristo, imitando-o.

Assim, Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, pela vontade de Deus, recomenda-nos a imitação de sua própria vida porque ele imitava a Cristo: "Sede meus imitadores, como também eu de Cristo" (1Co 11:1) e também: “Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores (1Co 4:16).

Uma vez atraídos, por aceitarmos o chamado do Senhor Jeová, significa que passamos então a ser imitadores de Cristo, dia após dia, seguindo-o continuamente. Assim, foi Deus quem pôde se chegar a nós primeiro e nos atrair, de modo que agora, por aceitarmos o chamado, passamos a seguir a Cristo, e, por fim, nós poderemos nos chegar também diretamente a esse mesmo Deus que nos atraiu e que nos amou primeiro.

Prosseguiu, pois, Jesus: Quando tiverdes levantado o Filho do homem, então conhecereis que eu sou, e que nada faço de mim mesmo; mas como o Pai me ensinou, assim falo. Jo 8:28

Uma vez aprovados em parte e chamados por Deus, em geral passamos a sentir em nosso coração, em grau maior ou menor, o desejo de seguir ao seu Cristo, pois é isso que o chamado de Deus faz em nós, pois Ele mesmo é o responsável pela determinação de que não há como se chegar a Ele, sem trilharmos o caminho de sermos imitadores do Senhor Jesus.

Entretanto, a minha própria experiência com o meu chamado me revela que eu posso ou não obedecer ao chamado. Pode ocorrer de eu estar fraco e me permitir ser dominado por temores imaginários e aquele que teme não é perfeito em amor. (ver 1Jo 4:18). No entanto, ao que tudo indica, me parece que o Senhor Jeová não desiste nunca de um chamamento que fez, de modo que, o ser humano que é chamado e por se sentir ainda fraco, renega o chamado, resulta como quem passa a viver tal como um perseguido, um fugitivo do chamado.

Aquilo que ocorreu com o profeta Jonas deixa muito clara a realidade disso: não há como fugir, de modo definitivo, de um chamado do Senhor. Tentar fazê-lo, a mim mesmo custou perdas de tempo e de recursos preciosos que, mesmo eu hoje sabendo que, no devido tempo de Deus, tais perdas me serão mais do que restituídas, a experiência toda foi, de fato, muito traumática e tais provações poderiam ter sido evitadas, se eu tivesse, de imediato, demonstrado boa vontade e sido obediente ao chamado de Deus. Mas eu estava realmente fraco ao ser chamado e precisei das provações para ser aperfeiçoado no amor.

3. Ele prosseguiu então a dizer a todos: “Se alguém quer vir após mim, repudie-se a si mesmo e apanhe a sua estaca de tortura, dia após dia, e siga-me continuamente. ...” (Lc 9:23)

Uma vez que eu obedeço ao chamado e começo a seguir a Cristo, não me convém imaginar que deste momento em diante, na minha vida, as provas acabaram e irá acontecer só vitórias, pois de fato não será assim. Enquanto não vier o que é perfeito, o meu aperfeiçoamento requer aprendizagem contínua, portanto provação contínua e eu me alegro sinceramente na prova.

Paulo tinha conhecimento desta circunstância quando falou: “E vós vos tornastes imitadores nossos e do Senhor, visto que aceitastes a palavra sob muita tribulação, com alegria de espírito santo, de modo que viestes a ser um exemplo ...” (1Ts 1:6-7).

Eu devo considerar que eu continuo a viver no mundo, neste mesmo mundo que ainda jaz no poder do iníquo (ver 1Jo 5:19). O que eu devo esperar então?

Quando esteve vivendo entre nós como homem o Senhor Jesus respondeu a essa questão, a fim de que seguindo-o de contínuo, nele, nós tivéssemos paz: “No mundo tereis aflições (realidade fatídica), mas tende bom ânimo (resposta à realidade), eu venci o mundo (resultado final).” (Jo 16 : 33). Portanto, eu devo esperar pelas tribulações, todavia com o bom ânimo de Cristo, crente de que minha atitude e minha fé, funciona e vale a pena.

Eu não devo permitir, em momento algum, que as tribulações que fatalmente me aflijam, venham a me desanimar e me afastar do meu chamado da parte de Deus. Devo sim, me esforçar em manter sempre um genuíno bom ânimo. Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, inspirado pelo poder do santo espírito de Deus nos alerta: Mantende os vossos sentidos, sede vigilantes. Vosso adversário, o Diabo, anda em volta como leão que ruge, procurando [a quem] devorar. (1Pe 5:8)

Se decidimos ouvir e aceitar a um chamado de Deus para seguir a Cristo, devemos estar consciente de que precisamos sujeitarmo-nos , portanto, a Deus e opormo-nos ao Diabo, de modo que ele fuja de nós. (ver Tg 4:7). O diabo fugirá de nós, não por nós mesmos, pois nós não temos em nós mesmos poder para isso, mas por causa da nossa total sujeição a Deus, como seguidores e imitadores fieis de Jesus.

Lembremo-nos que, por ser apropriado executar tudo o que é justo, o homem Jesus também atendeu ao seu chamado de Deus, com o seu batismo e foi a partir dali que Jesus recebeu o Espírito Santo de Deus e foi anunciado por Ele como sendo o seu filho amado a quem Ele vinha aprovando. (ver Mt 3:15-17).

A narrativa que vem a seguir (Mt 4:1-11), mostra que Jesus foi então conduzido pelo espírito ao ermo, para ser tentado pelo Diabo, sendo que após ter sido debilitado por um longo jejum foi tentado por três vezes, mas Jesus resistiu, foi assertivo e manteve-se fiel a Jeová e sua palavra, de modo que por fim o próprio Jesus se sentiu autorizado a ordenar-lhe: “Vai-te, Satanás!” e só então o Diabo deixou-o.

Eu devo resistir ao diabo com o bom ânimo de um imitador de Cristo, com a sabedoria que convém a tal circunstância. Eu não devo maldizê-lo e nem desafiá-lo, pois isso não me seria prudente e nem compete a mim julgá-lo., Eu devo lembrar que no livro de “Judas, escravo de Jesus Cristo, mas irmão de Tiago, aos chamados que são amados em relação com Deus ...” (Jd 1), eu encontro o alerta que me diz que, “o arcanjo Miguel, quando contendia com o Diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou lançar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda. (Jd 9)

Portanto, resistir ao diabo significa uma resistência inflexível, porém pacifica e ordeira. Isso não significa covardia, mas sim sabedoria e “a excelência do conhecimento é que a sabedoria preserva vivos os que a possuem.” Ec (7:12). De fato, se por causa das várias tribulações que me afligem, eu me estressar e disser que eu “odeio o Diabo”, como eu já fiz outrora, eu estou caindo em uma armadilha. Com isso estarei agradando o próprio Diabo e renegando em seguir, verdadeiramente, a Jesus Cristo, que me ordenou enfaticamente o que eu devo fazer: “Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus”.

Se eu, de fato, fui chamado por Deus e sou mesmo um escolhido, eu devo ter a maior misericórdia possível pelos que não o foram ainda, principalmente pelos que andam perdidos e mais ainda se alguém dentre estes for usado para fazer algum mal diretamente a mim, pois as aflições que eles vivenciam em suas tristes vidas, são em muito superiores as minhas próprias e eu não sei sobre o dia de amanhã e também não conheço os detalhes do plano de Deus. Alguém que hoje anda por caminhos torpes poderá, amanhã, ser também chamado e levantado por Deus, assim como eu mesmo creio que eu tenho sido.

A misericórdia de Deus foi oferecida, por meio do sangue de Jesus, a todos. Eu devo dar o exemplo do amor ao me relacionar com aqueles que ainda não creem, devo acreditar que a condição destes é só por hoje e não ser egoísta e desejar guardar esta bênção só para mim, pois ela me foi dada para ser partilhada, “não tornando mal por mal, ou injuria por injuria; antes, pelo contrário, bendizendo; sabendo que para isto fostes chamados, para que por herança alcanceis a benção. (1Pe 3:9). Eu devo divulgar as boas novas a todos, usando como ferramenta não apenas a palavra de poder, mas também dando mostra viva do poder da palavra em mim mesmo.
Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
 
Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.