quinta-feira, 10 de maio de 2012

O Amor Suporta Sofrimento, Todavia, Não O Causa! Então não Aceite Sofrer Por Amor Romântico!


O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
1 Coríntios 13:4-7

O amor é sofredor ... MAS O AMOR NÃO CAUSA SOFRIMENTO! Nenhum tipo de amor pode CAUSAR SOFRIMENTO.

Sendo mesmo verdadeiro, O AMOR, sempre TEM LIMITES

Existem alguns tipos distintos de amor e, em sua essência, são todos "amores incondicionais", com exceção de um pequeno detalhe: o amor romântico, o amor de uma relação conjugal, é o único tipo de amor que REQUER, NECESSARIAMENTE, uma via de mão dupla para poder existir!!! Isso é fato!! Caso contrário, ou ele se torna como um amor fraterno (amor entre irmãos) ou acaba por se tornar como algo destrutivo, uma aberração desnaturada que nada tem com relação ao amor!

Portanto, ficai atento e se perguntai: Você coloca TODAS suas expectativas de vida em relacionamentos amorosos? Você tem a perspectiva que o amor romântico é a sua realização mais importante?

Existem pessoas que ao longo da vida acabam se envolvendo com os mais variados tipos de pessoas, simplesmente porque não conseguem viver sozinhas.

O que não imaginam é que, geralmente, esses relacionamentos, baseados na carência excessiva de uma das partes, podem ser extremamente destrutivos.

Na vida de todas as pessoas nada mais é importante que o amor, que é a base de tudo e de todos, pois, quando amamos algo ou alguém, obtemos algo precioso: mantemos o nosso equilíbrio emocional.

O amor é a primeira e a segunda coisa mais importante para Deus, pois está no âmago de dois dos Seus mais importantes mandamentos. Contudo, tem sido exatamente o amor um dos sentimentos mais negados ao próximo na sociedade atual.

Por que isso acontece? Não é por falta de capacidade de se sentir amor mas, sim, por falta de conhecimento a respeito. Mas, quais são os conhecimentos necessários para aprender a amar melhor? Comece, então colocando algumas coisas no seu devido lugar: Não é o amor que sustenta um relacionamento, mas sim, o modo de se relacionar que permite a permanência do amor!

Eu mesmo tenho buscado seguir os seguintes passos de aprendizagem:
  • A amar me (amar a mim próprio), incondicionalmente, independente da minha relação com qualquer outro ser, exceto a Deus, a quem devemos amar acima de tudo. É só assim sendo, que eu poderei amar sem restrições quem me cerca;
  • A parar de fazer coisas as quais eu não gosto, feitas só para agradar a pessoas. Em geral as pessoas não apreciam nem valorizam sacrifícios feitos por elas, algumas chegam mesmo a temer que isso as torne endividadas; As pessoas que nos amam gostam que compartilhar conosco das coisas que fazemos naturalmente. A isso chama-se afinidade.
  • Apesar de todas as circunstâncias desfavoráveis existentes, nunca deixar de acreditar no amor. Acreditar, sempre, nas várias diferentes formas de amor ao próximo, pois nós, seres humanos, não fomos feitos para a solidão;
  • Que o amor, e suas formas, é, sempre, muito acima das paixões, um sentimento de cooperação. Onde não há cooperação e cumplicidade, de alguma forma, não há amor. Nem mesmo a piedade mais pura conseguirá sobrevive para sempre, sem que se desenvolva algum fruto que cause satisfação a alma humana;
  • Ter desapego o bastante para não prosseguir alimentando relações que só trazem sofrimento. Se após algum tempo uma relação parecer não funcionar com cooperação e cumplicidade, e, não trouxer apenas benefícios as partes benefícios, desapegue-se dela sem constrangimentos, antes de assumir comprometimentos maiores.
Uma verdade que poucas pessoas são capazes de enxergar é a de que ninguém nos engana nesta vida, nós é que nos permitimos ser enganados de modo que, somos nós mesmos que nos enganamos.

Se alguém pensa amar o seu companheiro mais que si próprio, pode parecer um sentimento muito nobre, mas pode significar também, falta de auto estima. Quando alguém passa a afirmar que ama o outro mais que  si mesmo, pode parecer altruísmo, mas em geral não o é pois, é característica do altruísta não ficar contando vantagem da medida do eu amor. Esta  pode, simplesmente, ser um firmação dita por dizer, por alguém que, de fato, simula afeição. Todavia, se alguém pensa estar, realmente, amando alguém mais do que si próprio, em um relacionamento romântico, pode estar, na verdade, num situação de fragilidade psico-emocional. 

Infelizmente, é bastante comum nós criamos expectativas irreais quanto às pessoas e quanto aos relacionamentos e passamos a viver como que dependentes dessas expectativas criadas. Com isso nos colocamos em uma situação de nos decepcionarmos, facilmente, quando elas não correspondem ao que desejamos.

Tais decepções podem acabar nos ocorrendo com grande frequência, o que, normalmente, nos leva ainda a outros transtornos mais, pois, as pessoas entre nós, que em geral vivem calcadas nas expectativas criadas sobre as atitudes do outro, ou mesmo sobre os relacionamentos em si, são as mesmas pessoas que, de modo geral, tem maior dificuldades em lidar com as frustrações quando elas fatalmente ocorrem.

Deste modo, amar ao outro, sem amar tão igualmente a mim próprio, seria uma postura de falta de sabedoria que estaria, continuamente, pondo a prova a minha resiliência. Além do mais, é necessário que eu aprenda a ver as pessoas como elas são, e a aceitá-las e respeitá-las dessa maneira e não esperar que o meu relacionamento com elas possam ter o poder de transformá-las, pois é tão somente Deus que tem esse poder.

Quanto mais cedo eu descartar um relacionamento que não me é conveniente, menos eu sofrerei ou mesmo menos farei o outro sofrer, e, mais cedo me colocarei em condições de avaliar outras possíveis opções de relacionamentos. Eu só posso modificar a mim mesmo, ao outro eu só posso amar, amar de uma forma, ou de outra.

Entre seres humanos, seja em que contexto for, jamais existirá relacionamentos perfeitos e, também, ninguém conseguirá, nunca, de modo algum, ser totalmente desapegado em tudo. Assim, todo e qualquer relacionamento entre seres humanas sempre trará para as partes, algumas eventuais decepções. É por isso que é preciso desenvolver paciência e resiliência, e ter consciência de que é muito pouco provável que um amor romântico subsista, longe do amor de Deus.

Todavia, alguns relacionamentos são mesmo inconvenientes e estes podem ser evitados ou mesmo descartados, antes de um comprometimento maior. Simplesmente deixar rolar e acreditar que com o tempo as coisas mudarão, em geral, acaba custando ainda mais caro que uma ruptura precoce.

Criar expectativas irreais é o motivo por que muitos falham redondamente na realização amorosa.
O amor, que é a base de tudo e de todos pois, quando amamos algo ou alguém mantemos o equilíbrio interior.

“Respondeu Jesus: O principal é: Ouve, ó Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força. O segundo é: Amarás a teu próximo como a ti mesmo” (Marcos 12.29-31).

Não existem mandamentos superiores a estes. Desta feita, o amor é a primeira e a segunda coisa mais importante para Deus, pois está no âmago de dois dos Seus mais importantes mandamentos. Deus é o criador, também, da forma de relacionamento do amor romântico:

“Disse mais o Senhor Deus: não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” (Gênesis 2:18).

Não seja tolo, ame-se, seja mais amoroso consigo mesmo, não se violente fazendo o que não gosta. Permita-se dizer não e permita-se cogitar que, sob certas circunstâncias, isso possa ser necessário!

O amor é um jogo cooperativo. Se vocês estão juntos é para jogar na mesma equipe, ou então é melhor nem começar jogo algum. Não permaneça junto de quem não o mereça. Alimentar relações que só trazem sofrimento é masoquismo: pratique o desapego e afaste-se, se necessário, e não permita, de modo algum, ver o seu amor transformado em rancor ou ódio.

Em amor romântico, aceite o seu próprio ritmo do amor e saiba que o seu parceiro tem também o dele próprio. Assim como ninguém vai empolgadíssimo todos os dias para o trabalho, ninguém está sempre no auge da paixão, de modo que, variações de humor, em maior ou menor grau, são inerentes a todos os seres. Cobrar de si e do outro, viver sempre nas nuvens é apenas o início de muitas situações frustrantes e perturbações.

Para evitar que o relacionamento se torne destrutivo, o ideal é buscar uma certa independência, ter autonomia sobre sua vida para fazer suas próprias escolhas. Desta forma, a pessoa terá capacidade de escolher relações em que possa ter trocas mais maduras, com pessoas dispostas e prontas para dar e receber, para que ambos ganhem com a relação.

É necessário e imprescindível que ambos tenham amizades, que se dediquem-se aos estudos ou a um trabalho no qual sintam prazer e realização, que cuidem do corpo e da mente, que busquem o autoconhecimento, independente do parceiro fazê-lo também ou não.

Convém, ainda, que o casal tenha convívio social enquanto casal, e que convivam com outros casais para que possam melhor compreender a dinâmica das outras relações e se espelhar também nelas, pois aprendemos muito com essa troca de experiências. Todavia, convém que o casal escolha círculos sociais que lhes interessem a ambos e possam, principalmente, trazer influencias realmente positivas.

A estrema carência afetiva, hoje, pode ser considerada como uma forma de distúrbio comportamental contemporâneo, mais um mal do século XXI, que afeta um número considerável de pessoas, tanto homens quanto mulheres. As pessoas sentem e agem em função deste sentimento distorcido, muito provavelmente, por já terem vivenciado experiências emocionais que não foram atendidas.

Não podemos buscar no outro aquilo que não conseguimos encontrar em nós mesmos, ou seja, devemos, antes, buscar colocar dentro de nós o que nos falta, para que a pessoa passe a se conhecer melhor e a lidar melhor com os próprios sentimentos, propiciando lhe vivenciar, depois, relações mais satisfatórias e prazerosas, que agreguem bons sentimentos e bem estar.

Compreender e aceitar essas coisas, de modo algum significa aceitar o fim do amor romântico, ou mesmo acreditar que o amor romântico é (ou se tornou) um mito, como alguns querem pregoar mas, antes, é resgatá-lo, dentro de um contexto com a base do equilíbrio da sabedoria da palavra de Deus. Com tal equilíbrio, um relacionamento romântico pode durar, não apenas para está vida, neste mundo, como até mesmo, eternamente, se Deus assim o permitir.

“O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba…” I Coríntios 13:4-8


Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
 
Licença Creative Commons
Este trabalho de André Luis Lenz, foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.